Pinus. Foto: Berneck.

Sobre o setor

O Setor Florestal

O setor de árvores plantadas é um dos principais segmentos da economia brasileira, sendo responsável por cerca de 3,8 milhões de empregos, entre diretos, indiretos e resultante do efeito renda.De acordo com dados da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), as indústrias do setor florestal em todo o Brasil faturaram R$ 70 bilhões em 2016, mantendo o segmento como um dos cinco setores mais importantes da economia brasileira, respondendo por 6% do PIB do país. Do total do território brasileiro coberto por florestas, 7,8 milhões de hectares são ocupados por florestas plantadas, que respondem pela maior parte do suprimento da indústria madeireira e de outros segmentos do setor. Os maiores índices de investimento, produtividade, geração de emprego e renda estão centrados, principalmente, na indústria produtora e consumidora de florestas plantadas.

 

“O Paraná é o Estado que melhor representa a pluraridade do setor Florestal”

Elisabeth Carvalhaes – Presidente da Ibá

Paraná

Quando o assunto são florestas plantadas, é impossível falar sobre o tema sem pensar no Paraná, Estado que concentra 11,4% da base florestal do Brasil e possui um dos parques industriais mais diversificados do setor em todo o país. Além das tradicionais madeireiras, o Paraná também tem indústrias de todos os elos que compõem essa cadeia produtiva, como papel, celulose, móveis, portas, painéis, madeira serrada, embalagens e artefatos, e, por isso, é o Estado que melhor representa a pluralidade do setor florestal, de acordo com a presidente da Ibá, Elizabeth Carvalhaes.

Segundo o “Mapeamento dos Plantios Florestais do Estado do Paraná – Pinus e Eucalyptus”, realizado pelo Instituto de Florestas do Paraná (IFPR) e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB), com apoio da Apre, as áreas de plantios florestais no Paraná somam 1.066.479 hectares, número este que representa aproximadamente 5,4% da área do Estado. Ainda segundo o estudo, do total plantado, excluindo as áreas de corte raso, o gênero Pinus continua se destacando como o de maior representatividade, representando 65,8% da área total plantada. Já o eucalipto abrange 34,2% da área total plantada.

Para se ter uma ideia da importância do Paraná, o Estado conta com a maior área de plantio de Pinus do Brasil – 42% da participação nacional, ou seja, mais de 670 mil hectares. Além disso, em 2016, a Ibá realizou um estudo que mostrou que o Estado ultrapassou o Espírito Santo no total de área plantada de eucalipto, alcançando a sexta posição, com 5% de participação, ou seja, 285 mil hectares. Tudo isso, na avaliação da Ibá, vem ajudando a impulsionar a economia paranaense, já que, de 2010 a 2015, as área plantadas cresceram 13%, gerando receita e empregos para o Estado. Outro ponto que merece destaque é o fato de o Paraná ter florestas de pinus e eucalipto, algo que não é comum.

Um levantamento divulgado pela Apre apontou, entre outras coisas, que o setor de base florestal do Paraná apresenta alto índice de produtividade em florestas plantadas, número até 50% maior do que em outras regiões do país nos plantios de eucalipto e 25% maior nas espécies de pinus, por hectare/ano. Além disso, há grande potencial de crescimento e, com investimentos direcionados, é possível aumentar índices de exportações, faturamento e empregabilidade. Para muitos estudiosos, as indústrias de base florestal paranaenses, que são extremamente relevantes para a economia do Estado, são consideradas como setores-chave.

Também é importante destacar que o Paraná tem recebido importantes investimentos privados, como a nova unidade da indústria Klabin, inaugurada em 2016, em Ortigueira, que é a fábrica mais moderna de celulose do mundo. Na avaliação da Ibá, a unidade industrial foi responsável pela mudança do posicionamento do Brasil no mercado mundial, pois o país passou de quarto para segundo lugar na exportação de celulose, superando a China e o Canadá.

As florestas plantadas no Brasil

As áreas com floresta plantada no Brasil são principalmente de propriedade da indústria de celulose e papel (34%), seguida por produtores independentes e fomentados (29%) e na indústria siderúrgica a carvão vegetal (14%). O restante dos plantios pertence aos investidores financeiros (10%), à indústria de painéis reconstituídos e de pisos laminados (6%), e, em menor escala, aos segmentos de serrados, móveis e outros produtos de madeira sólida (3%) – base 2015. Vale lembrar que o segmento de celulose e papel encontra-se em franca expansão desde o início dos anos 2000, e as áreas destinadas a este uso estão concentradas principalmente nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Bahia, que são os três principais Estados detentores de plantios de eucalipto no Brasil.

Vale ressaltar, ainda, que diversos setores industriais têm as árvores como base da cadeia produtiva, e as florestas plantadas são fontes diretas de matéria-prima para a indústria florestal-madeireira nacional. Nos últimos anos, dois tipos de plantios têm se destacado como principais fontes de suprimento de madeira para as indústrias de base florestal brasileiras: pinus e eucalipto. Apesar de ocuparem apenas 1,6% da área total com florestas no país, os dois plantios foram responsáveis, em 2015, por 91% da produção nacional de madeira em tora.

Dos 7,8 milhões de hectares de florestas plantadas existentes, 5,63 milhões são de eucalipto, ou seja, 72%. Já o gênero de pinus mantém 1,58 milhão de hectares, totalizando 20%. O restante, 589 mil hectares, envolve outras espécies (8%). Entre 2004 e 2015, a área total de florestas plantadas cresceu 3,3% ao ano. No caso das áreas com eucalipto, o aumento foi de 5,0%, enquanto que o pinus cresceu 2,0% ao ano. As demais espécies, como seringueira, acácia e paricá, por exemplo, tiveram um aumento de 10,6% a cada ano.

Com relação ao eucalipto manejado para madeira serrada, a maior popularidade da espécie é junto a produtores florestais independentes, que conduzem seus plantios com manejo adequado a este fim (madeira serrada), diferentemente dos grandes maciços florestais, que são manejados para atender à indústria consumidora de fibra de madeira. Plantios de eucalipto com manejo de mais longo prazo voltado ao setor de produtos sólidos se concentram principalmente nos estados do Paraná, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul.

Todas essas informações fazem parte do Estudo Setorial produzido pela Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), de 2016, que apontou, entre outras coisas, que a “área plantada com eucalipto no Brasil expandiu expressivamente na última década devido ao consumo crescente de madeira deste gênero pela indústria de celulose e papel, de painéis reconstituídos e siderurgia, indústrias que são as principais demandantes da madeira de eucalipto”. Outro motivo para o crescimento expressivo é que as áreas de corte final de pinus foram substituídas por eucalipto no Sul do Brasil, devido ao mais rápido crescimento florestal e consequente menor ciclo de corte do eucalipto em relação ao pinus.

Com relação às áreas de florestas plantadas de pinus, nas últimas décadas foram feitos investimentos por conta da demanda de grupo de indústrias diversificadas, como a de papel e celulose de fibra longa, de painéis reconstituídos de madeira e, principalmente, da indústria de madeira sólida (serrarias e laminadoras). Além disso, a madeira de pinus também está voltada para a produção de múltiplos produtos de mercado, incluindo os de produtos de maior valor agregado (PMVA).

No caso dos plantios de pinus, as florestas plantadas desta espécie estão localizadas principalmente na região Sul, com participação de 88% do total nacional,ou seja, 1,4 milhão de hectares, já que os plantios de pinus se desenvolvem bem nas regiões com clima ameno e invernofrio, com disponibilidade constante de umidade duranteo ano. As madeiras provenientes deste tipo de árvore são direcionadas principalmente para aindústria de madeira sólida (serrado, lâminas/compensado), concentrada nos estados do Paraná, SantaCatarina e Rio Grande do Sul e, portanto, próximas àsfontes de matéria-prima.

O Paraná é o Estado que detém a maior concentração de área plantada com Pinus no Brasil, chegando a 42%. Os plantios estão localizados principalmente na região Centro-Sul e Norte Pioneiro do estado, com destaque para os municípios de Sengés, Jaguariaíva, Telêmaco Borba, Tibagi, Cerro Azul, Lapa, General Carneiro e Guarapuava, que, em conjunto, somam pouco mais de 30% do total. Os maciços florestais destas regiões abastecem um mercado diversificado de empresas, incluindo as indústrias de celulose e papel, de painéis reconstituídos, serrarias, laminadoras e a indústria moveleira.