Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Programa mostra união das empresas na busca pelo melhoramento de pinus

Iniciativa é coordenada pelo Fundo Cooperativo para Melhoramento de pinus (Funpinus)

Os participantes do 6º Workshop Embrapa Florestas/Apre, realizado dias 19 e 20 de março, em Curitiba (PR), tiveram acesso ao status do Programa Cooperativo de Melhoramento de Pinus, uma iniciativa que atende a demanda da indústria quanto à qualidade da madeira e à produção de resina de pinus. O programa tem como objetivo viabilizar pesquisas para gerar tais tecnologias e vem sendo desenvolvido de forma conjunta pela Embrapa Florestas, Apre (Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal), ACR (Associação Catarinense de Empresas Florestais) e empresas de base florestal desses dois Estados. O tema foi apresentado durante o evento pelo diretor da Apre, Carlos Mendes.

Segundo Mendes, todas as empresas têm material genético para a atividade que irá executar, por isso, a importância de desenvolver pesquisas que contribuam para esse melhoramento. Para fazer a gestão da iniciativa, foi criado o Fundo Cooperativo para Melhoramento de pinus (Funpinus), que administra financeiramente, estimula o desenvolvimento dos programas, promove parcerias e efetiva os contratos de cooperação. “Esse modelo tem ajudado as empresas a agirem cooperativamente, com ganhos para todos”, avaliou Mendes.

A coordenação e o treinamento são conduzidos pela Embrapa Florestas. O trabalho inclui a formação de uma base de material genético da Embrapa e outros órgãos, empresas, universidade e importação. Além da pesquisa para o melhoramento convencional com testes clonais, cruzamentos controlados, entre outros, serão desenvolvidas tecnologias para reduzir o ciclo de melhoramento, incluindo seleção de genoma, embriogênese somática, indução de crescimento precoce, e outros.

O resultado é que as empresas recebem uma análise crítica dos materiais genéticos que possuem com recomendações para uso, visibilidade da participação em programa de melhoramento genético e a possibilidade de identificar oportunidades de negócios.

Nos próximos seis meses serão realizadas visitas às empresas participantes e treinamento de equipes para enxertia, seleção de árvores, polinização controlada e beneficiamento do pólen.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Interact Comunicação