Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Grandes construções com madeira começam a virar realidade no Brasil

Incentivar o uso da madeira na construção civil estimula o plantio, a conservação das florestas e diminui a emissão de CO2

O incentivo às construções utilizando madeira vem crescendo, principalmente nos últimos anos, no Brasil. Projetos de condomínios com casas exclusivamente de madeira já são realidade no país que, em breve ganhará o um edifício com 13 andares feito com essa matéria-prima versátil e sustentável. Essa nova realidade é um importante passo dado no caminho da sustentabilidade e na valorização dessa matéria-prima tão abundante, vítima de vários mitos.

Há registros de quase um milênio de grandes construções utilizando madeira. Com o passar dos anos, materiais como concreto e aço foram ocupando o maior espaço na construção civil. No Brasil, o segmento é responsável por 9% do Produto Interno Bruto (PIB) e também por 40% de toda a emissão de CO. Caso a utilização das florestas (nativas e plantadas) fosse maior, o impacto negativo poderia ser praticamente zerado, já que cada m3 de madeira capta uma tonelada de CO2. Além disso, o aumento da demanda pelo material gera mais áreas de plantio e reflorestamento.

A realidade de edifícios com estrutura em madeira já pode ser observada em vários países da Europa e no Canadá. São construções totalmente feitas em madeira, ou mescladas com outros tipos de material e revestimentos. A cada novo projeto, novas tecnologias vão surgindo, como a madeira engenheirada, que permite aos arquitetos maior liberdade de criação, com vãos amplos em diferentes estruturas.

“A construção civil é um ótimo caminho para fechar a cadeia da floresta até o consumidor. Ela agrega valor às florestas e faz com que elas tenham um maior significado em pé do que desmatada”, afirmou o engenheiro florestal, gerente de operações da Amata, Patrick Reydams.

Em sua palestra sobre construções com madeira no 4º Simpósio Madeira & Construção, promovido pela Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR) e Carpinteria, Reydams citou diversos exemplos de edifícios construídos com madeira pelo mundo e falou da importância da valorização desse material como principal matéria-prima.

Edifício Amata

Com projeto para construção até 2010, o Edifício Amata será o primeiro prédio erguido em madeira no Brasil. Ele vai ser construído na Vila Madalena, em São Paulo. A obra terá material com certificado de origem da própria empresa e será erguido com 13 pavimentos. A área total vai ser em torno de 5 mil m² e abrigará restaurantes, coworkings e colivings.

A Amata possui hoje 110 mil hectares de floresta plantada no Brasil, somente no manejo de Rondônia, por exemplo, são colhidos aproximadamente 20 mil m3 de madeira por ano, de 24 espécies diferentes, que são vendidos tanto para o mercado interno, quanto para exportação.

“Acreditamos que, fomentando o mercado brasileiro, em poucos anos o país pode se tornar relevante em construções de madeira. Nosso trabalho atualmente é no desenvolvimento desse mercado”, destacou Reydams.

Vila Taguaí

A Vila Taguaí é um exemplo de sustentabilidade utilizando resíduos de manejo. O conceito do condomínio de oito casas, todas feitas com madeira, surgiu da iniciativa de reaproveitamento de sobras de Cumaru, de uma região do Acre. A junção de arquitetos e engenheiros, em parceria com a Ita Construtora, resultou no projeto que hoje abriga moradores em total integração com a natureza nas redondezas de São Paulo.

Uma das autoras do projeto, a arquiteta Cristina Xavier, afirma que é importante criar demanda para esse material tão abundante em no país e que essa iniciativa pode ser replicada em outras cidades, tanto na região Norte, quanto no Sudeste.

“É necessário que se pense na utilização tanto de florestas nativas, quanto de áreas plantadas. O manejo responsável permite que possamos criar várias demandas para essa matéria-prima”, declarou.