Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Edifício Albina Yard: o efeito emocional da madeira

No Oregon, Estados Unidos, edifício de quatro andares abriga um dos escritórios de arquitetura pioneiro no uso da madeira em construções de prédios

A primeira coisa que você percebe quando entra no escritório da Lever Architecture, em Portland, Oregon, é o cheiro: doce e algo que lembra o Natal nos países da América do Norte. Isso porque Albina Yard, o prédio de um ano que abriga o escritório foi construído a partir de uma espécie florestal conhecida como abeto douglas, comum na região. “É um espaço no qual as pessoas respondem imediatamente em um nível emocional”, diz Thomas Robinson, fundador da Lever e arquiteto do prédio.

Robinson é pioneiro na concepção de edifícios altos que utilizam madeira, não concreto ou aço, para suportar seu peso. Albina Yard tem apenas quatro andares, mas é o prelúdio de um projeto mais ambicioso: Framework, uma torre de uso misto de 12 andares que logo se elevará no Pearl District de Portland. Quando terminar – provavelmente em 2019 – será a mais alta estrutura de madeira totalmente ocupada do país.

Embora se construa com madeira desde os tempos pré-históricos, vive-se um momento arquitetônico único para a madeira em todo o mundo. Estruturas de madeira semelhantes às de Portland recentemente foram construídas na Suécia, Finlândia e Reino Unido. Um edifício de madeira de 24 andares está em andamento em Viena. Os arquitetos estão até sonhando com arranha-céus de madeira, como uma torre de 35 andares proposta para Paris pela Michael Green Architecture, uma empresa canadense que projetou um prédio de escritórios de madeira de oito andares na Colúmbia Britânica e um de sete andares em Mineapolis. Embora os códigos de construção dos Estados geralmente barrarem estruturas de madeira de mais de 25 metros de altura, o governo federal promoveu recentemente pesquisas em construção com madeira, na esperança de reviver a indústria doméstica de madeira.

Há razões pelas quais, originalmente, evitou-se construir prédios altos com madeira, entre eles, incêndios como o que devastou Chicago em 1871. No entanto, os novos edifícios usam um produto de madeira de alta tecnologia conhecido como madeira laminada colada. O esqueleto da Framework será feito de peças de madeira laminadas coladas em vigas maciças e colunas, enquanto as paredes e os pisos serão feitos de painéis de madeira laminada cruzada (CLT), em que camadas de madeira são empilhados em direções alternadas.

O time de Robinson testou os componentes ao fogo. Uma viga unida, uma coluna e um painel CLT foram colocados em um forno, depois pesados ​​com 25 mil libras, para ver quão fortes eles seriam após a exposição ao fogo e ao calor. Duas horas depois, eles emergiram carbonizados, mas estruturalmente intactos. A madeira maciça não queima facilmente e a camada externa de carvão que a madeira em massa desenvolve quando queimada isola a madeira.

Outro medo comum a respeito dos altos edifícios de madeira é que eles desmoronem como peças de Lego em casos de terremoto. A equipe de Robinson projetou os painéis CLT da Framework para se espalhar de um lado para o outro com ondas sísmicas e submeteu os painéis a testes de força extensiva.

IMPACTO AMBIENTAL
A maior vantagem de madeira maciça pode estar no impacto ambiental. Os edifícios são responsáveis ​​por um terço das emissões globais de gases de efeito estufa. Grande parte da pegada de carbono de um edifício resulta de seu uso vitalício de energia, mas outra grande parte deriva de sua construção. A fabricação de concreto e aço representa cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa. As árvores, no entanto, retêm carbono – elas absorvem e mantêm o carbono até que se decomponha. De acordo com um estudo no Journal of Sustainable Forestry, a substituição de madeira por outros materiais utilizados em edifícios e pontes poderia impedir entre 14 e 31 % das emissões globais de carbono.

Construir desta forma também gera benefícios locais. Acelera a construção, porque muitos componentes são pré-fabricados – as peças da Albina Yard foram montadas em cinco semanas. Usa um recurso que pode ser cultivado nas proximidades e cria empregos locais: a maior parte da madeira em massa do Framework será fornecida localmente.

O Noroeste tem uma longa história de edifícios de madeira, remonta às casas de prancha indianas americanas, e Robinson considera o Framework uma parte desta tradição. Ele também vê paralelos entre o renascimento da madeira e o movimento “da fazenda à mesa”. “Trinta anos atrás nós comemos sem pensar muito sobre como nossa comida era cultivada. Agora as pessoas querem saber de onde seus alimentos estão vindo. E acho que o interesse está começando a acontecer na arquitetura”, completa.

Traduzido por Portal Madeira e Construção.
Original: The Atlantic
Fotos: divulgação