Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Duas associadas no ranking de melhores empresas para se trabalhar no agronegócio  

A Great Place To Work (GPTW), empresa global que avalia e certifica ambientes de trabalho em mais de 60 países, divulgou nessa semana, em parceria com a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e a revista Globo Rural, o ranking com as melhores empresas para se trabalhar no agronegócio. A pesquisa foi realizada com 111 empresas inscritas no segmento, que abrangem 78.476 funcionários. No ranking, foram destacadas as 30 melhores empresas, sendo 10 de grande porte e 20 pequenas ou médias. As associadas John Deere e Remasa Reflorestadora foram classificadas em segundo lugar entre as empresas de grande porte e em segundo lugar na lista de pequenas e médias empresas, respectivamente.

“Só podemos parabenizar as duas empresas. Essa é uma importante conquista que ajuda a valorizar o setor florestal como um todo e mostra o nosso comprometimento com os diversos atores envolvidos neste segmento”, destaca Ailson Loper, diretor executivo da Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal.

A Remasa foi premiada na categoria de médias empresas, que a organização Great Place To Work considera aquelas que têm de 100 a 999 colaboradores. De acordo com Gabriela Gugelmin, Business Manager do Grupo Remasa e líder deste projeto, a companhia, desde a fundação, tem uma preocupação genuína com a qualidade de vida dos seus colaboradores. Por isso, vem há alguns anos intensificando este trabalho e modernizando a gestão de pessoas a cada dia.

“Em 2019, fomos buscar reconhecimento no Great Place to Work® e, para nossa alegria, fomos reconhecidos como a quarta melhor empresa para se trabalhar no Paraná. Agora, como a 2ª melhor empresa do Agronegócio para se trabalhar no Brasil. Estas premiações nos trazem muito orgulho e satisfação, pois validam nosso empenho para que todos os nossos colaboradores estejam sempre comprometidos com o resultado, permaneçam engajados e gostem do que fazem. Esse prêmio não é apenas da Remasa, mas de cada um dos nossos colaboradores, que acreditam na Empresa e vestem a camisa todos os dias com muito orgulho, comprometimento e determinação”, declara.

No caso da John Deere Brasil, a empresa conta com mais de cinco mil funcionários, distribuídos em nove unidades, entre fábricas, escritórios e centros de treinamento, distribuição de peças e de Agricultura de Precisão e Inovação. Por isso, foi premiada no ranking de grandes empresas. Wellington Silvério, diretor de recursos humanos da John Deere para América Latina, afirma que o propósito da área é liderar a transformação organizacional por meio de soluções ágeis, inovativas e colaborativas, em um ambiente diverso e inclusivo.

“Atualmente, a necessidade para transformação é imediata. Mesmo assim, as empresas podem optar ou não por fazer essa mudança. Na John Deere, acreditamos que ela deve ser um processo contínuo para criar um ambiente onde as pessoas realmente possam experimentar o seu melhor dentro do trabalho. O nosso propósito é bem alinhado com esse momento. Sem dúvida esse reconhecimento demonstra o compromisso e o esforço da organização para construir um ambiente de trabalho diverso, inclusivo e colaborativo. Numa visão mais ampla, é uma contribuição fundamental para um setor-chave da economia brasileira, que vem passando por transformações importantes em termos tecnológicos e sociais”, celebra.

Pesquisa

Na pesquisa, as companhias inscritas participam de uma fase quantitativa, em que os funcionários respondem a um grande questionário, e de uma avaliação de práticas adotadas pela empresa. São avaliados critérios como oportunidade de crescimento, qualidade de vida, remuneração, sentimento de tratamento justo, equidade de gênero e feedbacks por parte dos gestores.

Saiba mais na Revista Globo Rural