Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Como o pinus passou de madeira “pouco nobre” para a queridinha do design

Preço baixo e melhoria da qualidade da madeira elevaram o status do pinus, que é o novo queridinho dos designers

O uso do pinus na decoração vem ganhando força e desmistificando a ideia de que se trata de uma madeira “pouco nobre”, como até então ele era conhecido. A expansão comercial das madeiras de cores claras com os veios desenhados, puxada pelo boom do design escandinavo, está entre os fatores que colocaram o pinus entre os queridinhos do design, especialmente na confecção de peças de mobiliário.

“As cores claras trazem aconchego e esta é uma tendência que vem com força no decór”, afirma Marlon Chiumento, consultor de design da Inove Decor.

O preço mais baixo quando comparado ao dos demais tipos de madeira, resultado de sua abundância no Brasil, é outro atrativo do pinus.

“Os primeiros móveis fabricados com esse tipo de madeira que chegaram ao nosso mercado possuíam uma qualidade muito baixa. O avanço da tecnologia, no entanto, proporcionou melhoria aos produtos e, atualmente, o pinus chega ao mercado com alta qualidade, além de muito bem tratado”, acrescenta Chiumento. 

Madeira versátil

Prateleiras, cabeceiras de cama, poltronas, mesas laterais, aparadores, cadeiras e sofás: o pinus pode ser usado na confecção destes e de diversos outros tipos de móveis. Chiumento ressalta apenas que, em cadeiras, a madeira utilizada não deve conter nós, pois eles podem alterar o ponto de tensão da peça e tornar o objetopouco resistente.

“As madeiras conversam muito bem entre si. Do tom médio para o claro, todas as madeiras podem compor bem com o pinus”, avalia Lucas Rosin, consultor e coordenador de projetos no Estúdio Paulo Alves.

Cuidados na escolha

Por ser uma madeira clara, o pinus é mais suscetível ao ataque de cupins e fungos, como lembra Chiumento. Mas, se o mobiliário for bem selecionado e cuidado, pode ter vida útil de até 50 anos.

Para escolher uma boa peça de pinus, o consultor explica que os critérios a serem avaliados são praticamente os mesmos dos demais tipos de madeira: verificar se a lâmina não está rachada e se não há caminhos que indicam a presença de cupins e fungos.

Também é importante checar se o móvel está bem fixado em todas suas extremidades. “A durabilidade depende de se o designer soube aproveitar o potencial do pinus sem comprometer sua estrutura”, acrescenta Rosin.

Manutenção

Os móveis de pinus não podem ficar expostos à incidência direta da luz solar, pois o calor pode causar rachaduras na madeira. Para alimpeza, é indicado o uso de pano macio e úmido.

“Se houver alguma mancha, o pano pode estar um pouco mais úmido, mas não encharcado e nem com produtos químicos”, recomenda Chiumento.

Fonte: Haus – Gazeta do Povo