Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Associadas participam de reunião técnica mensal

Encontro aconteceu na sede da Apre, em Curitiba

A Apre reuniu, no dia 10 de fevereiro, os diretores das associadas para a primeira reunião técnica do ano. A primeira apresentação ficou por conta do engenheiro florestal Marcelo Langer, que falou sobre o “Uso de Agregados de resíduos da Construção e Demolição (Mistos e Concreto – ARM e ARC) na pavimentação de estradas rurais”.

O engenheiro começou a utilizar materiais de construção civil para recapear pontos de estrada, fazer cabeceiras de ponte, bueiros etc. Isso resultou numa monografia para a Universidade Tecnológica Federal do Paraná há alguns anos, e o resultado ele vem aplicando nas empresas. “A base do projeto foi a Lei 12.305, que fala sobre a Política Nacional dos Resíduos Sólidos Urbanos e estabelece a possibilidade da economia circular, com princípios de reciclagem, reuso, reaproveitamento, recuperação de energia etc. Com isso surge a possibilidade de usar resíduos da construção civil”, explicou.

Essa prática, segundo Langer, ajuda a minimizar problemas ambientais, sociais e econômicos e contribui para sustentabilidade do planeta, além de ajudar no processo de logística reversa. De acordo com o engenheiro, num processo de gestão de resíduos ele foi capaz de gerar a economia de R$ 3 milhões para a construtora, só no processo de reaproveitamento de resíduos.

Para a área experimental, o engenheiro florestal escolheuum local com características das áreas florestais paranaenses e a área foi preparada para receber o corte raso. O solo era bastante arenoso. De acordo com ele, o efeito climático fez a acomodação do material e a aglutinação. Após dois anos de aplicação, o material aplicado na estrada aparentemente se comportou bem.

“A maior vantagem é que se pode adquirir o material gratuitamente. Em termos de custo, esse sistema é mais barato que a utilização do cascalho. Muitas vezes o dono da obra tem interesse em disponibilizar esse material, porque ele tem menos custo do que se tivesse que destinar o material. E também porque ele tem que ter um plano de gestão de resíduos. O material serve para estrada, pavimentação de estacionamento, calçadas, entre outros”, explicou.

Após a apresentação de Marcelo Langer, o diretor executivo da Apre, Carlos Mendes, disse que a importância desse trabalho é aproximar os sindicatos ligados à construção civil, as prefeituras dos municípios onde existem áreas florestais e as empresas. “É um conjunto de ideias para pensarmos na melhoria ambiental (construções, resíduos e estradas). Um bom motivador desse assunto é a juntar as construtoras, a prefeitura e a Apre”, disse.

A segunda palestra da reunião técnica ficou por conta de Marmoon Nadolny, engenheiro florestal da Renova, que falou sobre os resultados de pesquisas florestais da empresa, que foram publicados em um livro. “Foram 10 anos de parceria entre aRenova Floresta e a Universidade Regional de Blumenau (Furb), e o fruto disso é uma publicação que reúne algumas pesquisas feitas na região de Rio Negrinho e Rio Negro. Alem dessas pesquisas com a Furb, fizemos pesquisas com Universidade da Carolina do Norte (EUA), UFPR, entre outras universidades. Publicar isso seria uma fonte de informação, e serviria também como referência bibliográfica”, explicou. Durante a apresentação, Nadolny falou sobre os principais capítulos e os resultados das pesquisas.

Após as duas apresentações, o gerente executivo da Apre, Ailson Loper, falou sobre o infográfico produzido pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), que explica, de forma ilustrativa, os processos produtivos da cadeia florestal, bem como os produtos e subprodutos provenientes das árvores plantadas. Loper reforçou a importância do documento e ressaltou que é importante que as empresas distribuam no seu entorno. “Nosso objetivo é fazer isso chegar a todas as prefeituras de municípios que têm atividade florestal. Prefeituras, escolas, universidades. Temos que fazer esse material ser visto para mostrar a importância das árvores de floresta plantada para o país”, destacou.

Para fechar a reunião, Ailson Loper falou sobre o calendário de reuniões da Associação para o ano e abriu o espaço para discussão de assuntos pertinentes ao setor florestal.

Fonte: Assessoria de Imprensa Apre