Pinus. Foto: Berneck.

Sala de Imprensa

Notícias

Apre reúne associados durante a terceira edição da Lignum Latin America

Aproveitando a Lignum Latin America, feira destinada à cadeia produtiva da madeira, a Apre realizou sua reunião técnica mensal com associados no espaço do evento. Mais de 20 pessoas participaram do encontro, que teve, além dos assuntos gerais, a apresentação institucional da nova associada, Rotor Equipamentos, do segmento de colheita mecanizada. O presidente da Apre, Álvaro Scheffer Junior, e o diretor executivo da Associação, Ailson Loper, detalharam alguns projetos importantes para o setor florestal.

Loper comunicou, ainda, que a representação do Fundo Nacional de Controle de Pragas Florestais (Funcema) passou, agora, para a Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor), seguindo o que está estabelecido no estatuto, que prevê que o Fundo seja administrado de forma rotativa pelas três Associações do Sul – Apre, Ageflor e Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR).

Por fim, o diretor executivo convidou os presentes para participar do Workshop Inventário e Mensuração, que vai acontecer no dia 25 de outubro, na sede da Emater, em Curitiba.

A próxima reunião técnica mensal da Apre vai acontecer no dia 11 de outubro, na Berneck. Mais informações sobre local e a pauta serão enviados em breve.

Nova associada

Durante a reunião, representantes da Rotor Equipamentos apresentaram a empresa e seus principais serviços. Álvaro Diniz, diretor de operações da empresa, destacou que o foco da Rotor é fornecer peças novas e seminovas, além de equipamentos para colheita florestal, com objetivo de diminuir o tempo de máquina parada. “Na área florestal, há, ainda, uma grande lacuna na manutenção de equipamentos e, na colheita, tempo perdido é dinheiro perdido. Nossa principal ação é diminuir esse espaço entre máquina parada e em funcionamento”, declarou.

Além desse trabalho, a Rotor também comercializa máquinas revitalizadas, um trabalho pioneiro no Brasil, de acordo com Diniz. Ele explicou que as máquinas de colheita têm vida útil, que gira em torno de 25 mil horas. Quando esse limite é atingido, grande parte das empresas coloca os equipamentos à venda em leilões. Assim, a empresa percebeu um nicho de mercado, passando a adquirir essas máquinas para revitalizar, trocando uma série de peças e equipamentos para oferecer nova performance. “Dessa forma, criamos um elo entre o pequeno produtor, que não tem acesso à mecanização, e a própria mecanização. As máquinas novas têm custo elevado e financiamento difícil, então os equipamentos revitalizados ficam mais acessíveis”, avaliou.

Dentre os serviços ofertados pela empresa, estão manutenção preventiva e corretiva; revisão, recondicionamento parcial ou completo; além de soluções técnicas customizadas. Hoje, a Rotor conta com clientes em todo o Brasil, mas, seguindo o planejamento estratégico, para o futuro o foco é também a internacionalização da marca, chegando à América do Sul e outros países ao redor do mudo.

Ainda para o futuro, a Rotor tem no radar a implementação de um projeto de formação profissional em parceria com clientes e entidades sociais; modernização e atualização tecnológica contínua; participação ativa e contributiva de liderança em entidades de classe e associações representativas; parcerias estratégicas mercadológicas nacionais e internacionais; crescimento agressivo do market share; bem como um projeto de responsabilidade social. Por trás de tudo isso, veio a decisão de se associar à Apre, uma Associação forte que defende os interesses do setor.

“Nosso objetivo é quebrar paradigmas. À medida que a empresa foi se estruturando e traçando planos de futuro audaciosos e claros, concluímos que não é possível alcançar nada sozinhos. Precisamos estar próximos ao mercado, para agir de forma integrada. Sentimos que isso é imprescindível, e a agressividade dos nossos planos não permite que façamos as coisas de forma isolada. Não acreditamos num mundo de competição; acreditamos que o mundo é cooperativo e que a cooperação é boa para todo mundo. Ou seja, temos que participar, estar próximos. Por isso, decidimos nos associar à Apre para efetivamente alcançar essa conexão”, garantiu Dartagnan Plothow Camargo, consultor de Desenvolvimento Humano e Organizacional da Rotor Equipamentos.